Logo TeatrineTV
1260x100
320x100
JOSÉ OCTÁVIO GUIZZO

Com 'bom sinal', governo de MS devolve teatro e centro cultural reformados

Foram 8 anos de obras e R$ 10,5 milhões investidos

Por TERO QUEIROZ • 03/04/2024 • 11:22
Imagem principal Governo de MS entrega obras do Centro Cultural José Octávio Guizzo após 8 anos. Foto: Saul Schramm

O governo de Mato Grosso do Sul devolveu para a população, na noite da 3ª.feira (2.mar.24), o Centro Cultural José Octávio Guizzo, onde está o Teatro Aracy Balabanian em Campo Grande (MS).

Localizado na Rua 26 de Agosto, 453, no Centro, o espaço cultural foi inaugurado em 11 de outubro de 1984. No entanto, esteve fechado desde 2016 devido a obras.

Ao longo de 8 anos, cerca de R$ 10,5 milhões foram investidos na ampliação e revitalização.

A cerimônia de reinauguração do complexo cultural teve no dispositivo a presença de diversas autoridades e personalidades, incluindo:

  • - Dois filhos de José Octávio Guizzo (Danuza e João Guizzo);
  • - Governador Eduardo Riedel (PSDB);
  • - Secretário de Esporte, Turismo e Cultura, Marcelo Miranda;
  • - Diretor-presidente da Fundação de Cultura (FCMS), Eduardo Mendes;
  • - Deputados estaduais: Roberto Hashioka, Mara Caseiro e Lídio Lopes;
  • - Secretário estadual de Governo e Gestão Estratégica, Rodrigo Perez;
  • - Diretor-presidente da Fundesporte, Herculano Borges;
  • - Diretor-presidente da Fundtur, Bruno Wendling;
  • - Primeira-dama Mônica Riedel;
  • - Ex-senadora Marisa Serrano;
  • - Ator Mac Suara;
  • - Subsecretária de Políticas Públicas para População Indígena do MS, Silva Terena.

"NINGUÉM É UNIVERSAL FORA DO SEU QUINTAL..."

A filha de José Octávio Guizzo, Danuza, discursa durante entrega da obra do Centro Cultural.  Foto: Saul SchrammA filha de José Octávio Guizzo, Danuza, discursa durante entrega da obra do Centro Cultural.  Foto: FCMS

Nos discursos de abertura, a filha de José Octávio, Danuza Guizzo, celebrou a reinauguração do espaço que homenageia seu pai e citou o desejo dele de que o local fosse mais do que um espaço para apresentações, mas que tivessem oficinas de formação, ocupação continua.

Danuza recebeu um buquê de flores entregue pelo governador Eduardo Riedel, como um sinal de respeito a trajetória da família em prol da cultura. “Meu pai foi o primeiro presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul após a reabertura política, na primeira eleição democrática do Estado após a ditadura. Um dos grandes sonhos dele era este centro cultural: um espaço aberto ao povo, para nossos artistas e para a população em geral. Para ele, a cultura era um bem maior de um o povo. O Estado estava realmente precisando disso. Meu pai falava: 'ninguém é universal fora do seu quintal'. Então, muito obrigado a todos vocês por essa reforma tão cuidadosa do nosso quintal”, citou ela.

A frase muito repetida por José Octávio Guizzo em sua militância cultural é do poeta brasileiro Vinícius de Moraes.

Devido à alta colaboração de Guizzo ao movimento cultural sul-mato-grossense, o Centro Cultural recebeu seu nome.

ABRAM-SE AS CORTINAS

Design sem nome (7)Com dramatização poética, o ator campo-grandense Bruno Moser abriu as apresentações no Centro Cultural José Octávio Guizzo durante entrega do espaço.  Foto: FCMS

Um grande tecido preto foi colocado na frente do espaço e as autoridades proferiram seus discursos sem que ainda pudesse ser visualizado o novo prédio. O tecido foi utilizado como uma ‘Cortina’ (peça que resguarda o palco).

Abertura de cortinas revela Centro Cultural José Octávio Guizo revitalizado. Foto: Saul SchrammAbertura de cortinas revela Centro Cultural José Octávio Guizzo revitalizado. Foto: FCMS

O ator Bruno Moser conduziu a abertura das cortinas com um texto poético. Em seguida, os atores André Tristão, Nilce Maciel, Estefânia Martins, Camila Brito e Camila Morosini foram revelados, dando vida aos personagens em homenagem a Aracy Balabanian, Rubens Corrêa, Conceição Ferreira, Wega Nery e Ignês Corrêa da Costa. Isso ocorreu durante o projeto "Memória MS", especialmente construído para a inauguração.

Então, o público foi apresentado ao novo prédio do Centro Cultural. As portas foram abertas e em cada um dos espaços — Sala de Convenções Rubens Corrêa, Galeria de Exposições Wega Nery, Ateliê de Artes, Sala de Ensaios Conceição Ferreira, Sala de Música, Sala Central e Teatro Aracy Balabanian havia apresentações.

O governador de MS, Eduardo Riedel, o secretário Marcelo Miranda e o diretor-presidente da FCMS, Eduardo Mendes, em destaque, assistindo a uma performance da atriz Nilcieni Maciel, no projeto Memória MS. Foto: FCMS

A comitiva do governador visitou praticamente todos os espaços juntos aos gestores de cultura.

Visita de autoridades a uma das salas revitalizadas no Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero QueirozVisita de autoridades a uma das salas revitalizadas no Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero Queiroz

O último espaço a ser revelado ao público foi o Teatro Aracy Balabanian que passou por uma reforma e modificações gerais, incluindo dispositivos de acessibilidade. 

Entrada para ver o teatro reformada foi disputada entre autoridades e público. Foto: Tero Queiroz Entrada para ver o teatro reformada foi disputada entre autoridades e público. Foto: Tero Queiroz 

Por volta das 21h15 as portas do teatro foram abertas e os políticos, gestores de cultura, trabalhadores da arte e público em geral entraram.

Teatro Aracy Balabanian é reaberto após 8 anos em obras. Foto: Tero Queiroz Teatro Aracy Balabanian é reaberto após 8 anos em obras. Foto: Tero Queiroz 

No teatro aconteceu a apresentação do espetáculo “A verdadeira história do Barão”, da companhia paulista Nau de Ícaros.

"A CULTURA QUE LIDERA NOSSA IDENTIDADE E FUTURO..."

Ao lado do ator Mac Suara, o governador Eduardo Riedel e a primeira-dama Mônica Riedel, assistem à abertura das cortinas do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero QueirozAo lado do ator Mac Suara, o governador Eduardo Riedel e a primeira-dama Mônica Riedel, assistem à abertura das cortinas do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero Queiroz

Na atmosfera cultural, ao lado da primeira-dama, Riedel descreveu o local como um santuário da arte estadual. "Nosso Estado não poderia prescindir deste espaço, que é um símbolo da cultura sul-mato-grossense. Hoje é um dia para celebrar a restauração de um lugar que é parte integrante da cultura do Mato Grosso do Sul. Estamos revivendo uma história de uma época em que a cultura florescia. Vamos cuidar do José Octávio Guizzo com o carinho que ele merece", destacou o governador.

O líder do executivo também enfatizou que investir em cultura deve ser uma prioridade para qualquer administração que almeje o sucesso. "O papel da cultura no processo de inclusão é essencial. Para aqueles que consideram um investimento secundário, estão profundamente enganados. Pelo contrário, é a cultura que guia nossa identidade e futuro. Ela é a força motriz que nos enche de orgulho pelo nosso Estado, nossa gente e nossas raízes", disse. 

O governador Eduardo Riedel é conduzido pelo Edu Mendes pelo corredor do Centro Cultura José Octávio Guizzo. Foto: Tero Queiroz 

Riedel, ao contrário de governadores anteriores, participou integralmente do evento, visitando todas as salas, assistindo às performances e ao espetáculo teatral na íntegra.

O governador Eduardo Riedel, o secretário da Setesc, Marcelo Miranda e suas respectivas esposas. Foto: Saul Schramm Foto: O governador Eduardo Riedel, o secretário da Setesc, Marcelo Miranda e suas respectivas esposas. Foto: FCMS

Ao deixar o local, o governador de MS compartilhou suas impressões com a TeatrineTV: “O teatro é maravilhoso. No final do espetáculo, o Barão de Munchhausen mencionou que esta casa deve estar sempre repleta de arte. Acredito que esse é o objetivo e o papel da secretaria, da Fundação, será, a partir de agora, estimular para que o Boca de Cena funcione, oferecendo conteúdo artístico para a população e dando espaço para a expressão dos jovens artistas aqui. É incrível ter o José Octávio Guizzo de volta à cena e estrear em grande estilo!”, declarou.  

GESTORES DE CULTURA 

Eduardo Mendes, chefe da FCMS, durante entrega do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero QueirozEduardo Mendes, chefe da FCMS e o deputado Lídio Lopes, durante entrega do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero Queiroz

O diretor-presidente da Fundação de Cultura, Eduardo Mendes, não escondeu a felicidade de estar no momento de entrega de uma das principais obras culturais de Mato Grosso do Sul. "Iluminado, né? Foram oito anos fechados, dois anos e meio quase de obra para poder chegar e estarmos aqui hoje entregando para os fazedores de cultura e para a população. Eu sempre falo que é uma balança entre fazedores de cultura e população: sem fazedores de cultura não tem plateia e sem plateia não tem artista".

Eduardo Mendes, chefe da FCMS, durante entrega do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero QueirozEduardo Mendes discursa durante a entrega do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Tero Queiroz

Eduardo garantiu que a Fundação vai trabalhar para envolver a população ao local e agradeceu ao chefe do executivo estadual. “Eu acho que é muito importante esse Centro estar sendo reaberto, para que a gente possa realmente ter oficinas, a gente possa envolver a nossa população para aprender as artes. Aqui a gente vai poder ter música, dança, teatro, circo, artes visuais, todas as linguagens de arte dentro do Centro. Então, me sinto muito privilegiado de estar à frente da Fundação de Cultura com um governador que entende a necessidade de ter equipamentos culturais e que está aqui hoje”.

O Secretário de Esporte, Turismo e Cultura (Setesc), Marcelo Miranda, citou a entrega como uma das principais contribuições do governo, visando a valorização de equipamentos culturais. “Eu acho que até agora essa é uma das principais entregas que a gente fez, porque em termos de política pública precisamos pensar em vários pilares: a questão do financiamento dos nossos fazedores de cultura, a questão dos programas de trazer grandes eventos, de trazer grandes espetáculos para a população ter acesso. A questão da formação cultural, a questão de oportunizar para a garotada que tenha oportunidade de seguir na arte. E o quarto pilar, que acho fundamental, é a questão da infraestrutura, os equipamentos culturais são muito importantes. Então, essa situação do Octávio Guizzo fechado há 8 anos era uma situação que nos incomodava muito”, revelou.

O chefe da Setesc, Marcelo Miranda, durante entrega de obras de reforma, revitalização e ampliação do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: Saul Schramm O chefe da Setesc, Marcelo Miranda, durante entrega de obras de reforma, revitalização e ampliação do Centro Cultural José Octávio Guizzo. Foto: FCMS

Miranda disse ainda que o governo tem a intenção agora de avançar com a valorização de outros espaços culturais de MS. "Agora a gente precisa pensar nessa questão dos espaços de cultura, de valorizar os locais de arte e cultura, porque sem espaço a gente não consegue ter o devido fomento à cultura", defendeu.

O secretário disse que o Centro Cultural aberto vai fazer grande diferença não só para possibilitar ao público grandes espetáculos, mas também em torno da formação de jovens artistas. "Oficinas, que era um dos grandes objetivos do José Octávio Guizzo, era que esse espaço fosse utilizado para oficinas, para oportunizar para os jovens o acesso à cultura”.

Ainda de acordo com Miranda, além de oficinas de curto prazo se faz necessário retomar programas formativos. “A questão da formação, não é só oficinas pontuais, mas programas de formação dos nossos artistas em todas as linguagens. Acho que é essa é uma das principais questões que a gente precisa retomar na Fundação de Cultura, é ter grandes programas de formação, e aqui é um espaço super adequado para isso”, concluiu.


Google News

Tags: Centro Cultural, Centro Cultural José Octávio Guizzo, Danuza Guizzo, Eduardo Mendes, FCMS, Fundação de Cultura, MARCELO MIRANDA, Mato Grosso do Sul, Setesc, Teatro Aracy Balabanian

Veja Também

Nos apoie:

Chave PIX:

27.844.222/0001-47

QR Code para doacao